Quinta-feira, 31 de Março de 2005

As aventuras da Casa da Música.

casadamusica.jpg



Desde o já distante Porto 2001 que a cidade assiste tranquilamente ao tortuoso e polémico tempo durante o qual a Casa da Música foi ganhando forma.
O sonho foi imposto à cidade em 1999. A escolha do projecto arrancou de forma conturbada - na altura falou-se muito no descrédito dado à competência dos arquitectos portugueses. A sabedoria popular é céptica e diz que algo que começa torto previsivelmente acabará torto. Estava, então, traçado o azar na construção da casa da música. Críticas vindas de especialistas em acústica da Faculdade de Engenharia, de notáveis da Faculdade de Arquitectura, de pianistas famosos para com autarcas incompetentes tornaram-se, pois, o "pão nosso". Derrapagens orçamentais, esquecimentos de pisos de estacionamento, escolhas inadequadas de materias de construção, ... passaram! E a casa cresceu e tornou-se um palacete da música.
Quando em 2000 (ou terá sido em 99?!) assisti à apresentação do projecto para a casa da música vindo do holandês Rem Koolhaas não esperava que aquele brinquedo de cristal desse lugar ao palacete de dimensões austeras em que se tornou. Compreendo, pois, a dicotomia amor-ódio que desperta e os argumentos que de quando a quando surgem na imprensa. Quando se brinca com a arquitectura e se constrói obras inovadoras e singulares despertam-se ódios e amores.
Pois bem, o certo é que depois de tantas obras e tantas linhas sobre o assunto, a fome de bilhetes era muita e a correria para os bilhetes foi impressionante. (Atente-se na corrida aos ingressos para Lou Reed+Clã.)
Quanto a nós (portuenses que não alinharam na corrida aos bilhetes mas esperaram imenso tempo pelo dia em que a casa da música abrisse ao público): merecíamos mais do que um concerto oferecido à cidade, a ter lugar na Praça exterior à Casa da Música com Xutos e Pontapés e primeira parte dos Pluto. E, merecíamos mais porque não acho que este seja o alinhamento a oferecer à cidade mas um alinhamento jovem. Não é, certamente, um alinhamento para um concerto gratuito aberto a toda a cidade. De qualquer das formas, fica aqui a informação oficial. Ah!, e pessoalmente: agradeço a "borla".


escrito pelo Homem Fantasma às 18:20
link do post | comentar
|
1 comentário:
De Anónimo a 31 de Março de 2005 às 22:07
E assim nos dão violinos...Ursa Menor
(http://decandeiasasavessas.blogs.sapo.pt)
(mailto:ursa.menor@sapo.pt)


Comentar post

.autor

Cláudio Alves

.pesquisar

 

.Maio 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Das últimas linhas em que...

. «Muito mais vivo que mort...

. Fé semanal - crenças de t...

. Em obras, de novo.

. «Foi por causa da Rita qu...

. Das linhas em que me coso...

. «Fraternidade.»*

. «Fantasmas, somos todos.»...

. «Combate de Gigantes.» *

. «Comemorações».

.arquivos

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

.links

.som actual

PJ Harvey
Kamikaze

.as minhas fotos

.subscrever feeds