Sábado, 12 de Março de 2005

Luís

luis delgado.bmp

«Pode ser um texto emocional, raro no meu estilo, mas quero, publicamente, que não existam dúvidas sou amigo de Luís Delgado, e serei sempre, em qualquer circunstância da sua vida pessoal, política ou profissional. Ele, como não podia deixar de ser, irá abandonar a administração da Agência Lusa, e fá-lo no momento certo, com a cabeça fria, e após a necessária reflexão pessoal, única, e em isolamento absoluto. Luís, digam o que disserem dele, e dos longos anos em que as suas crónicas e opiniões tomaram conta dos nossos jornais e televisões, fez o melhor que sabia e podia, e ao fazê-lo sabia que corria o enorme risco, quase impossível de ultrapassar, como se viu, de inverter uma situação de profundo desgaste e desilusão do eleitorado, com o PSD e PP, pelos anos de governação anteriores. Sei que por uma ou duas vezes percebeu que o esforço era inglório, e que queria pedir ao PR que convocasse eleições, e isso só enobreceu o seu carácter, capacidade de avaliação correcta da situação política, e um grande espírito de sacrifício. Luís Delgado, como tentativa de jornalista isento, fez o seu melhor, e como qualquer outro pseudo-jornalista, em longos anos, também cometeu erros, lapsos ou atrapalhações. E sei, finalmente, que teve o que não merecia, por parte dos leitores dos seus textos, e de uma série de figuras de todo o espectro político. Ele, como ninguém, sabia isso tudo, e para tudo estava preparado. Luís é novo, e uma vida à frente, e no jornalismo, naturalmente. Ele não "morreu" politicamente, por muito que alguns o tenham desejado, mas assumiu a responsabilidade de uma imprensa que estava ferida de morte, pela condução política e falta de transparência com os leitores, a partir de 2002. Delgado limitou-se a apanhar os "cacos", e tentar virar, sem nunca esperar que lhe cortassem as pernas. Agora provavelmente sai. E sai de cabeça erguida, dignamente, e com a certeza de que qualquer outro administrador da Agência Lusa, nas mesmas circunstâncias, sairia de uma forma mais trágica. O Diário Digital e Diário de Notícias não esquece nem atraiçoa. Eu sei que Luís Delgado regressará, quando o tempo disser.»

Deduzo que todos se recordem desta pérola do jornalismo de opinião em Portugal?

escrito pelo Homem Fantasma às 17:18
link do post
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


.autor

Cláudio Alves

.pesquisar

 

.Maio 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Das últimas linhas em que...

. «Muito mais vivo que mort...

. Fé semanal - crenças de t...

. Em obras, de novo.

. «Foi por causa da Rita qu...

. Das linhas em que me coso...

. «Fraternidade.»*

. «Fantasmas, somos todos.»...

. «Combate de Gigantes.» *

. «Comemorações».

.links

.som actual

PJ Harvey
Kamikaze

.links

.subscrever feeds